ERVAS MEDICINAIS

SABENDO-SE DO CRESCENTE INTERESSE NA PROCURA PELA MEDICINA ALTERNATIVA, O OLHO DE HORUS, A FIM DE ATENDER AOS SEUS CLIENTES E VISITANTES, VEM REALISANDO NESTE ESPAÇO, UMA SELEÇÃO DAS ERVAS MAIS SIGNIFICATIVAS PARA O SEU USO. ESPERAMOS PODER ATENDER SUAS EXPECTATIVAS E NECESSIDADES! VISITE TAMBÉM O NOSSO SITE: www.olhodehorus.com

18 junho, 2006

Espinheira-Santa



ESPINHEIRA-SANTA


Nome científico: Maytenus ilicifolia (Schrad.) Planch.

Família: Celastraceae.

Constituintes químicos: ácidos tânico, clorogênico, maytenóico, salasperônico, salicílico, d-amirina, taninos (4'-metil epigalocatequina e seu epímero 4'-metil-ent-galocatequina), ansamacrólidos tipo maitanosídeos, glucosídeos, triterpenos quinóides e dímeros (maitensina, maitomprina, maitambutina, atropcangorosina A, pristimerina, isopristemerina III, tingenona, isotingenona III, congoaronina, congorosina A e B, friedooleanan-5-en-3, b-29-diol D, friedooleanan-29-ol-3-ona D, ilicifolina, maitenina maitanbutina, maitolidina); diterpenos (dispermol, maitenoquinona), lactonas (maitanprina, maitansina), cafeína, polifenóis flavonóides (quercetínico e kaempferólico), substâncias nitrogenadas, carotenóides, óleo essencial, mucilagens, açúcares livres; sais minerais (ferro, enxofre, sódio, cálcio) e resinas; triterpernos friedelina, friedelanol, lupeol, lupenona, simiarenol, beta-amirina, beta-sitosterol, estigmasterol, campesterol, ergosterol, brassicasterol, a-tocofenol, esqualeno, ácido hexadecanóico, terpenóides (maitesina), maiteno, leucoantocianinas, proantocianinas.
As sementes contém 10 a 12% de óleo fixo. O conteúdo de taninos pode chegar a 4,6%.

Propriedades medicinais: adstringente, analgésica, antiácida (poderosa), antiasmática, antiespasmódica, antidispéptica, antiinflamatória, antiulcerogênica (casca em decocção), anti-séptica, antitumoral, aperiente, balsâmica, carminativa, cicatrizante, colagoga, contraceptiva, desinfetante, digestiva, diurética fraca, emenagoga, eupéptica, febrífuga, estomáquica, laxativa, reguladora da fertilidade, sialogoga, tônica, vulnerária.

Indicações: gastrite crônica, gases, fermentações gastrintestinal, doenças da pele (acne, eczema, eczemas, ulcerações, herpes, afecção pruriginosas), moléstias do estômago, úlceras pépticas; males hepáticos e renais; azia, vômitos e digestão, irritações estomacais, atonia gástrica, hiperacidez, gastralgias; inflamação, vômito.

Parte utilizada: folhas, cascas, raízes.

Contra-indicações/cuidados: não é recomendada para crianças, gestantes e lactantes. Evite o uso em caso de hipersensibilidade (detectada em um número reduzido de pessoas).

Efeitos colaterais: pode provocar contrações uterinas e reduzir a produção de leite nas mulheres.
A administração por via oral de infusos e liofilizados de folhas, não mostrou qualquer efeito tóxico em doses de até 1.600 vezes superiores aquelas recomendadas.

Modo de usar:
- A infusão das folhas, o chá das cascas e raízes (preparado por decocção) e os extratos, tinturas e cápsulas são indicados para o tratamento de úlceras, indigestão, gastrite crônica, dispepsia, constipação intestinal, eczemas, falta de apetite, astenia, asma, flatulência, anemia, insuficiência hepática, doenças dos rins e bexiga, feridas e furúnculos;
- Infusão: 2 colheres das de sopa de folhas secas picadas ou 12 folhas frescas grandes em 1 litro de água. Tomar antes das principais refeições;
- Decocção: 30g de folhas picadas em ½ litro de água. Ferver e, após esfriar, tomar 3 xícaras ao dia (úlcera interna);
- Compressas: ferver 10 folhas em ½ litro de água. Esfriar e aplicar topicamente em feridas;
- Tintura: 2 colheres das de sopa a cada 8 horas;
- Infuso: 20g para 1000ml de água. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia;
- Pó: 400mg de pó, 1 a 2 vezes ao dia;
Obs.:
- atualmente, o tratamento de câncer é bastante estudado;
- uma pesquisa prévia revelou que a planta possui compostos antibióticos (maitesina e maiteno), com potente ação antitumoral, especialmente contra a leucemia.

Repolho


REPOLHO


Nome científico: Brassica oleracea var. Capitata L.

Família: Brassicaceae.

Constituintes químicos: arsênico, gefarnate, minerais (cálcio, fósforo, ferro, sódio, potássio, magnésio, cloro, enxofre), vitaminas A, B1, B2, B5, C.

Propriedades medicinais: antibiótico, abstergente, anti-úlcera.

Indicações: abscessos, anemia, distúrbios intestinais, dores reumáticas, estimular o crescimento dos cabelos, feridas, fortalecer a parede do estômago contra os ataques ácidos, gota, hemorróidas, nevralgias, reumatismo, tuberculose, úlcera gástrica e duodenal.

Parte utilizada: Folhas

Contra-indicações/cuidados: o consumo do repolho, como alimento, não é indicado aos portadores de perturbações gastrointestinais agudas ou crônica. Neste caso toma-se o suco como medicamento, fora do horário das refeições.

Efeitos colaterais: comido em excesso, dá origem a formação de gases intestinais.

Modo de usar:
- comer preferencialmente cru, picado bem fino, em saladas, com suco de limão; poderá também ser consumido refogado, em sopa, ou outro modo;
- suco de repolho fresco: 250 ml por dia, alivia a dor e cura úlceras gástricas e duodenais;
- suco de repolho aplicado em fricções no couro cabeludo, duas vezes ao dia: estimular o crescimento do cabelo;
- suco de repolho e aipo: distúrbios intestinais;
- água do repolho: enfermidades do estômago, úlceras internas, hemorróidas, alcoolismo. Tomar uma colher das de sopa de hora em hora;
- cataplasma. Tritura-se as folhas em um pilão ou outro meio: feridas, tumores, inflamações, hemorróidas, gota, reumatismo, etc;

Nota: ao cozinhar o repolho, fazê-lo rapidamente com a panela destapada, para eliminar o odor característico. Cozido ele é mais indigesto que cru.


Tomate



TOMATE

Nome científico: Lycopersicon esculentum Mill.

Família: Solanaceae.

Constituintes químicos: acido abscísico, ácido acético, ácido arábico, ácido ascórbico, ácido caféico, ácido cítrico, alanina, campesterol, chlorina, citral, damascenona, eugenol, farnesal, glicoalcalóide tóxico em frutos verdes (solanina), iodina, kaempferol, licopeno, licopersiconolídeo, linalol, lupeol, pectina, pró-vitamina A, quercetina, quercitrina, rutina, tomatina, vanilina, vitaminas C, A, K e do complexo B, potássio, cálcio, fósforo, ferro, sódio, cloro.

Propriedades medicinais: adstringente, anti-séptica, bactericida, cicatrizante, desintoxicante, emoliente, refrescante, regeneradora celular.

Indicações: evitar queda de cabelos e caspa, calos, verrugas, pele oleosa, acne, fechar os poros dilatados das peles oleosas, hidratante para os seios, artrite, amigdalite, inflamações na garganta, cálculo renal, disfunção e insuficiência do fígado, inflamação da bexiga.

Parte utilizada: frutos.

Contra-indicações/cuidados: o fruto verde é contra-indicado para quem teve ou têm predisposição a câncer, artrite, reumatismo, gota ou cálculo.

Efeitos colaterais: não encontrados na literatura consultada.

Modo de usar: consumido 'in natura', verde ou maduro, em saladas, lanches e sucos, ou ainda refogados ou fritos.
- suco puro de tomates no couro cabeludo: evitar queda de cabelos e caspa.
- rodelas do fruto aplicadas a noite: calos e verrugas.
- suco ou purê em máscaras faciais e compressas: peles oleosas, acne.
- máscaras e compressas tomate/sálvia e em loções: tônicas para fechar poros dilatados de peles oleosas;
- máscara: hidratante para os seios.
- suco de tomate/salsa: artrite.
- suco de tomate verde em gargarejos: amigdalite, inflamações na garganta.


10 junho, 2006

Macela



MACELA

Nome científico: Chamaemelum nobile (L.) All.

Família: Asteraceae.

Constituintes químicos: ácido angélico, ácido isobutírico, flavonóides, lactona sesquiterpênica, pró-camazuleno, tanino. Composição do óleo essencial: isoamila, issobutila, nobilina, pinocarveol.

Propriedades medicinais: antialérgica, antiespasmódica, antiinflamatória, antiirritante, emenagoga, estomáquica, sedativa, tônica.

Indicações: afecção nervosa, histeria, problema menstrual, febre intermitente, flatulência, má digestão; peles e olhos avermelhados, inflamação na pele, sarda, mancha senil nas mãos, joelhos e cotovelos ásperos, alergia na pele; clarear cabelos castanhos e claros.

Parte utilizada: flores, óleo essencial.

Contra-indicações/cuidados: não deve ser utilizada por pessoa em tratamento radioterápico, pois impede que a radiação destrua as células sadias e as malignas (efeito anti-oxidante).

Efeitos colaterais: reações alérgicas, efeito anticoagulante.

Modo de usar:
- infusão de 5 a 10 gs em 100 ml de água fervente por 15 minutos. Filtrar e tomar 3 xícaras ao dia;
- maceração de 10 gs em 100 ml de vinho branco por 5 dias. Filtar e tomar um cálice pequeno 3 vezes ao dia;
- titntura: 20 gs em 100 ml de azeite, esquenta em banho maria por 2 horas no fogo baixo. Filtar e usar para massagem: dores de ouvido, nevralgias, limpeza de crostas de recém-nascidos. Para reumatismo, acrescentar 10 gs de cânfora: massagear as juntas doloridas;
- decocção por 10 minutos, de 30 gs de camomila em 1/4 de xícara de azeite de oliva. Deixe esfriar, filtrar em gaze, esprema e aplique: queimaduras solares.


Lentilha



LENTILHA


Nome científico: Lens esculenta Moench.

Família: Fabaceae.

Constituintes químicos: proteínas, carboidratos, vitamina A, B, B2, B5, C, ferro, cobre, enxofre, iodo, magnésio, zinco, potássio, sódio.

Propriedades medicinais: anti-helmíntica, antianêmica, antidiarréica, antiinflamatória, energizante, fortalecedora, mineralizante, neurotônica, nutritiva, vitaminizante.

Indicações: anemia, desnutrição, diarréia, convalescência, deficiência vitamínica, vermes intestinais, fortalecer o sistema nervoso.

Parte utilizada: sementes.

Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada.

Efeitos colaterais: não encontrados na literatura consultada.

Modo de usar: cozida.


08 junho, 2006

Espirradeira


ESPIRRADEIRA

Nome científico: Nerium oleander L.

Família: Apocynaceae.

Outros nomes populares: espirradeira, oleandro, flor-de-são-josé, loandro, loureiro-rosa, loandro-da-índia.

Constituintes químicos: oleandrina, neriantina (glicosídeos cardiotóxicos).

Contra-indicações/cuidados: tóxica. Uma única folha é suficiente para causar envenenamento.

Parte Tóxica: toda a planta.

Dose Letal: DL50 é de 0,18 mg/kg de oleandrina (concentração na planta de 0,08%). 18 g da planta são suficiente para matar um homem de 80Kg.

Principais sintomas de Intoxicação: dores abdominais, pulsação acelerada, diarréia, vertigem, sonolência, dispnéia, irritação da boca, náusea, vômitos, coma e morte, os sintomas podem ocorrer várias horas após a ingestão.

Antídoto/Tratamento: tratamento sintomático com anti-espamódicos (atropina ou similar), anti-eméticos (metoclopramida ou difenidramina), protetor de mucosa e adsorvente intestinal. Lavagem gástrica por pessoa experiente. No olho, lavar demoradamente com água corrente, colírio antisséptico, analgésico e posterior e encaminhamento do paciente a oftalmologista. A terapêutica nos transtornos cardíacos depende dos eletrocardiográficos e monitorização do paciente, em unidade de terapia intensiva. Geralmente, hipercalemia, bloqueio de condução e ectopia ventricular são indicativos de casos graves. A irritabilidade ventricular é tratada com antiarrítimicos da classe II, sendo mais indicada a fenitoína. A dose recomendada varia de 7 a 10 mg/Kg/24 horas, que pode ser administrada em infusão venosa lenta ou em período mais rápido de 20 a 30 minutos, repetindo-se a dose duas a três vezes, se necessário. Potássio é eficaz na supressão de ritmos ectópicos. Cloreto de potássio pode ser administrado por via oral ou venosa. Para crianças, doses fracionadas de 1 a 2 g (13 a 27 mEq) diárias podendo elevar-se até 4 g (52 mEq) para crianças maiores. O equilíbrio hidroeletrolítico deve ser controlado.

Observações: cerca de 15-20 g são suficientes para matar um bovino ou equino. Há casos registrados de morte de humanos por utilizar ramo de Nerium oleander como espeto de churrasco. As folhas secas continuam tóxicas.


Confrei



CONFREI


Nome científico: Symphytum officinale L.

Família: Boraginaceae.

Constituintes químicos: ácido fólico, ácido ascórbico, ácidos nicotínico, ácido tânico, ácido galo-tânico, ácido pantotênico, alcalóide alantoína (0,44 a 0,50% nas folhas e de 0,60 a 2,55% nas raízes), alcalóides pirrolizidínicos (sinfitina, equimidina e lasiocarpina ), amido, aminoácidos essênciais, arginina, arinina, asparagina, c arboidratos, caroteno, cianocobalamina, cistina, cálcio, cinzas (9,06%), colina, consolidina, equimidina, esteróis, fenilamina, ferro, fósforo, fructanos, heterosídeos cianogênicos e saponínicos, gomas, histidina, intermedina, iodo, isoleucina, l actonas sesquiterpênicas (como a leonitina e as trimetoxicumarinas), lasiocarpina, leucina, licopsamina, lisina, melonina, manganês, mucilagens, pirrolizidina, potássio, p roteínas, prolina, próvitamina A, tirosina, resina, saponinas, sinfitina, sinfito-sinoglossina, taninos, tanino, tirosina, treolina, triptofano, triterpenos, valina, vitaminas A, B1, B2, B12, C, E, zinco.

Propriedades medicinais: a dstringente, antianêmica, antiasmática, anticancerígena, antidiabética, antidiarréica, antidisentérica, anti-hemorroidária, a ntiinflamatória, antileucêmica, anti-reumática, amarga, béquica, calmante, cicatrizante, depurativa, desintoxicante, emoliente, expectorante, hemostática, hidratante, higienizante, laxante, mineralizante, mucilaginosa, regeneradora celular, tônica, vulnerária.

Indicações: abcessos, afecções ósseas, b ócio, bronquite (catarral e asmática), cefalalgias, contusão, debilidade, deslocamentos, dores (olhos, costas, músculos), cortes, febre, febrite, feridas, fígado, fissuras, fraturas, furúnculos, gastrite, hematomas, hematúria, hemoptises, h emorragia pulmonar, hepatite, icterícia, indutor da produção calcária, intoxicações gerais, luxações, pele ( acne, e rupções, espinhas, i nflamações, irritações, tecidos necrosados, rugas de expressão, manchas, irritações, lábios secos ou rachados, sardas ), pressão arterial, queimaduras, picadas de insetos, psoríase, resfriados, r eumatismo, rins, senilidade prematura, sinusite, tecidos ulcerados, torções, tosse, tromboflebites, tuberculose, úlceras, v eias varicozas.

Parte utilizada: rizoma, raiz e folhas adultas (as novas são tóxicas).

Contra-indicações/cuidados: gestantes. A capacidade de acelerar a multiplicação das células se torna um perigo em potencial, quando de células enfermas. No caso de câncer ou mesmo inflamações, aumenta o tamanho da lesão.

O confrei deve ser usado apenas externamente, a não ser sob orientação de um médico ou especialista. As folhas do confrei tem uma pubescência irritante à pele.

Efeitos colaterais: o uso interno pode provocar intoxicação no fígado, câncer, irritações gástricas, devido aos alcalóides pirrolizidínicos, que também são mutagênicos e pneumotóxicos. O consumo de leite, carne e mel de animais cronicamente contaminados pode também resultar em efeitos deletérios ao homem.
O Ministério da Saúde do Brasil proíbe o uso interno do confrei.

Modo de usar:
- Alcoolatura: misturar 1 parte de sumo das folhas em 5 partes de álcool. Aplicar sobre as partes afetadas.
- Cataplasma de 6 g de folhas amassadas ao ponto de pasta e aplicar sobre o ferimento, varias vezes ao dia. Pode-se adicionar glicerina à pasta.
- Emplastro: esmagar as folhas em água morna e aplicar sobre o ferimento 2 vezes ao dia. No caso de contusões e inchaços, colocar o emplastro dentro de um pano antes de aplicar.
- Infusão ou Tisana:
. 30g de folhas por litro de água;
. 2 folhas maturas em 2 copos de água quente. Tomar 3 vezes ao dia;
- Compressa: usar o decôcto das folhas sobre feridas e queimaduras, várias vezes ao dia;
- Alcoolatura de 1 parte do sumo em 5 partes de álcool;, Decócto: 4 - 5 g de chá em 250 mL de água, para lavar feridas; - Infuso a 5%: para gargarejos 2 a 3 vezes ao dia; - Suco fresco: psoríase; - Extrato: utilizar 10 -15% em cremes.


Acerola



ACEROLA


Nome científico: Malpighia glabra

Família: Malpighiaceae.

Constituintes químicos: ácido ascórbico (2-4%); ácido l-málico; ácido pantotênico; betacaroteno; carboidratos; caroteno; dextrose; frutose; hesperidina e outros bioflavonóides); limoneno; mucilagem; niacina; proteínas 4 g%, pró-vitamina A; riboflavina; rutina, sais minerais (ferro, cálcio 12 mg %, flúor 11 mg%, fósforo, magnésio, potássio, sódio); sucrose; tiamina; vitamina B6; Vitamina C (1- 5 g/100 mL).

Propriedades medicinais: adstringente, antianêmica, antidiarréica, antiescorbútico, antifungal, antiinflamatória, aperiente, cicatrizante, mineralizante, nutritiva, vitaminizante.

Indicações: afecções da vesícula biliar, afecções do fígado; afecções pulmonares, anemia; auxiliar em tratamentos do fígado ou disenterias; carência de vitamina C, cicatrização de feridas; diabetes, dieta de lactentes, crianças e adolescentes, de gestantes e nutrizes e de pacientes desnutridos, convalescentes e em processo de desgaste físico; diminuir a ocorrência de doenças infecciosas e de dores musculares e articulares; disenteria; estomatite, fadiga, gravidez, gripes, hemorragias nasais e gengivais; hepatite virótica, infecção bucal, irritabilidade, melhorar o sistema imunológico; perda de apetite; poliomielite, previnir debilidade, resfriado, reumatismo, stress, tuberculose pulmonar, varicela. Como fitocosmético: hidratante capilar e condicionador capilar, protetor contra infecções. Pesquisas indicam o ácido escorbútikco contra o envelhecimento celular graças à sua ação antioxidante e sequestrante de radicais livres. Os sais minerais da acerola lhe oferecem a propriedade remineralizante em peles cansadas e estressadas. As mucilagens e proteínas são responsáveis pelas ações de hidratação e condicionamento capilar.

Parte utilizada: fruto.

Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada.

Efeitos colaterais: não encontrados na literatura consultada.

Modo de usar:
Ao natural, como alimento, ou sob a forma de suco, 1 copo três vezes ou 4 vezes ao dia;
Como ingrediente para a fabricação de geléias, marmeladas, compotas, licores e sorvetes;
No enriquecimento vitamínico do suco de outras frutas;
Na fabricação de cremes e loções para a pele e xampus para os cabelos;
Fitocosmético: pós, cápsulas gelatinosas moles e duras, comprimidos e pastilhas;
2 a 5% em xampus. 5 a 10% em cremes e loções.


26 janeiro, 2006

Arnica do Mato


NOME POPULAR: ARNICA DO MATO, ARNICA VULGAR
NOME CIENTÍFICO: SENECIO BRASILIENSIS LESS

USA-SE: FOLHAS E FLORES

CARACTERÍSTICAS GERAIS E CULTIVO: MEDE DE 30 A 60 cm, ODOR FRACAMENTE AROMÁTICO E SABOR AMARGO. FLORES EM ESPIGAS AMARELADAS, SURGE EM JUNHO E JULHO.


Usam-se as flores, raízes e folhas em caso de contusões externas (20g de erva para um copo de água)

Caso seja ingerida, provoca aumento da atividade cardíaca e depressão. Pode provocar vermelhidão e ardência nas peles mais sensíveis.

Amoreira


NOME POPULAR: AMOREIRA
NOME CIENTÍFICO: MORUS CELSA ALBA E MORUS CELSA NIGRA FAMÍLIA: MORÁCEAS ORIGEM: A DO TIPO ALBA É DA CHINA E A NIGRA DA PÉRSIA
PLANETA: DESCONHECIDO
MAGIA: DESCONHECIDO


A Amoreira possui propriedades laxativas e espectorantes. É recomendada também para inflamações da boca e da garganta fazendo-se bochechos ou gargarejos com o suco dos frutos.

Laxante: comer os frutos em jejum.

Diabetes: infuso com 10g de folhas em 100ml de água.

25 janeiro, 2006

Alho


NOME POPULAR: ALHO
NOME CIENTÍFICO: ALLIUM SATIVUM
FAMÍLIA: LILIACEAE
PLANETA: DESCONHECIDO
ORIGEM: ÁFRICA

MAGIA: A CASCA É QUEIMADA JUNTO COM DEFUMAÇÃO PARA AFASTAR ENERGIAS NEGATIVAS


Utlizado largamente para temperar todos os tipos de carnes e legumes. Auxilia contra a hipertensão, picadas de insetos, contra ácido úrico e é um excelente antinflamatório e antibiótico.

Preparo e dosagem

  • Maceração: esmagar um ou dois dentes de alho dentro de um copo com água. Tomar um copo três vezes ao dia (para gripe, resfriado, tosse e rouquidão).
  • Tintura: moer uma xíc. (cafezinho) de alho dentro de um recipiente contendo 5 xíc. de álcool 92º GL, deixar em maceração por 10 dias, coar. Tomar 10 gotas em meio copo de água três vezes ao dia, para problemas do aparelho respiratório (gripes, etc.). Para hipertensão utilizar uma colher de chá da tintura em meio copo de água três vezes ao dia ou comer dois dentes de alho pela manhã.
  • Vermífugo: comer três dentes de alho pela manhã em jejum durante sete dias.
  • Dores de ouvido: amassar um dente de alho em uma colher de sobremesa de azeite morno. Pingar três gotas no ouvido e tampar com algodão.
  • Arteriosclerose: comer na alimentação 3 dentes de alho cru picado, 3 vezes por semana, durante 3 meses.

Toxicologia: contra indicado para pessoas com problemas estomacais e de úlceras, inconveniente para recém-nascidos, mães em amamentação e ainda em pessoas com dermatites. Em doses muito elevada, pode provocar dor de cabeça, de estômago, dos rins e até tonturas.

Arnica



NOME POPULAR: ARNICA MONTANA

ORIGEM: EUROPA CENTRAL


A tintura da arnica é utilizada externamente para contusões, não devendo se repetir sua aplicação pois pode produzir inflamações na pele. É uma planta altamente tóxica, deve-se prepará-la com cuidado.

Para a tintura - colocar 20 gs de flores e raízes em 100 gs de alcool à 60 graus e deixar macerar por 10 dias. Guarde depois de filtrado em uma recepiente bem fechado. Procure diliuir este preparado em 1/2 litro de água. Aplique sobre torções ou contusões desde que não existam feridas abertas.

24 janeiro, 2006

Avenca




NOME POPULAR: AVENCA, CABELO-DE-VÊNUS

NOME CIENTÍFICO: ADIANTUN CAPILUS VENERIS L
FAMÍLIA: POLIPODIÁCIAS
PLANETA: SATURNO
ORIGEM: BRASIL

MAGIA: USO DESCONHECIDO



Possui propriedades diuréticas e expectorante.

Infuso: duas colheres de sopa de folha picada para um litro de água fervente.

Com o chá de Avenca, podemos lavar o couro cabeludo combatendo os males que o ataca.

23 janeiro, 2006

Alfazema



NOME POPULAR: ALFAZEMA OU LAVANDA
NOME CIENTÍFICO: LAVANDULA ANGUSTIFOLIA
FAMÍLIA: LABIADAS
PLANETA: MERCÚRIO
ORIGEM: REGIÕES QUENTES DO MEDITERRÂNEO
MAGIA: DORMIR SOBRE SEUS RAMOS ALIVIA A DEPRESSÃO.



Diurética, espectorante, antiflamatória, sedativa e cicatrizante.
Alivia a falta de urina se ingerida como infusão. É boa para a digestão.
Gargarejo com decoção das flores alivia a dor de dentes.


Infuso- 5 gs de flores em 100 ml de água fervente por 10 minutos. Tomar 3 vezes ao dia, entre refeições.

Macerado- 10 gs em 100 ml de azeite, por 4 semanas ou em banho maria por uma hora e deixe macerar no mínimo 7 dias. Tomar 5 gotas como no infuso.

Na culinária a flor é utilizada para aromatizar as compostas.

Na aromaterapia seu óleo é utilizado para cortes, queimaduras, problemas inflamatórios e para restaurar a circulção sangüínea nos pés.

Se ingerida em demasia ela torna-se um excitante.